sábado, 20 de fevereiro de 2010

Um Herói brasileiro na estupidez da Guerra

Lendo uma bonita reportagem do meu amigo Wilhan Santin, na Folha de Londrina, eu não poderia deixar de comentar.
A matéria é sobre José Soares Neto, ex-combatente da FEB (Força Expedicionária Brasileira), que lutou bravamente na Segunda Guerra Mundial contra o exercito nazista, onde tomaram o Monte Castelo, na Itália, o que foi fundamental para a vitória.
Apesar da conquista, ninguém nunca mais irá apagar os horrores que estes homens viveram nas batalhas, no outro continente. A Guerra deixou marcas que nunca mais serão apagadas, tanto fisicamente, quanto psicológica.
No ano de 2008, quando servi o exercito, fazendo o tirão em Londrina, tive o prazer e a honra de conhecer este homem, que assim como mostra o Wilhan, na reportagem, é um senhor simpático, e muito calmo. Tive a oportunidade de conversar várias vezes com ele - mesmo com um pouco de dificuldade devido à parte de uma surdez, quando estilhaços de um morteiro o atingiram - mas conversamos sobre muitas coisas, minhas dúvidas, e meu encantamento pelas histórias daqueles que um dia lutaram por nosso país, defendendo interesses fúteis de nossos governantes, e ainda assim colocaram a própria vida em risco, acreditando que defendiam a pátria, sendo que muitos entregaram as suas vidas nos campos de batalha.

No pouco tempo que conversávamos, seu José contava inúmeras histórias sobre a Guerra, sobre os horrores que ela causa, sobre futilidade que pode chegar o ser humano, e pelos amigos que perdera nos combates, sempre se emocionava, afinal, hoje as pessoas nem sabem o que os famosos 'pracinhas' fizeram por nosso país. Com toda certeza sabemos que defendiam nada mais, nada menos que interesses econômicos e soberanos de governantes, mas cada um deles estavam em sua maioria, lutando pelo seu país, defendo a sua pátria, morrendo em vão, pelo que acreditavam.

Onde o ser humano é capaz de chegar por ego. Matar irmãos. Destruir vidas. Como disse o 'grande' seu José, que foi pra guerra quando tinha praticamente a minha idade: "A Guerra é uma estupidez."

Foi uma grande honra ter conhecido este cidadão brasileiro.

5 comentários:

Khaell TFA disse...

belo texto arthur, pessoas como essa merecem nosso total respeito! lutaram pela nossa patria, e esse ano vou servir o tirão e espero tbm ter a oportunidade de conversar com esse herio!


abraços

Hugo disse...

Muito bom o texto mesmo! Temos que ter respeito aos nossos herois!

Acorda Londrina disse...

Também tive o Przer de conversar com esse homem quando servi o Tiro de Guerra em 2009... Emocionante a história dele... Alguém deveria gravar um documentario. Ia ser show...

Fiquei emocionado quando conversei com ele, muito terror na guerra;

O melhor foi ele falando dos romances que rolavam durante a guerra...

Abraço

Arthur Montagnini disse...

Hahahahaha! Verdade!

O véio também era safado, contava umas histórias sobre os romances na Guerra. Bem lembrado! hahahaha

Anônimo disse...

Grande Arthur,

Que bom saber que você anda lendo minhas humildes matérias. Também gostei muito de conhecer o seu José, bem como o outro pracinha que entrevistei, o seu Américo. É uma pena que eu tenha descoberto essa pauta somente às 13h de sexta-feira. Tive cinco horas para ir até a casa dos dois, entrevistá-los, voltar para a redação e escrever os textos. Além disso, tinha também pouco espaço... Fiz o que deu, mas renderia uma reportagem muito melhor!
Ah! vamos marcar de tomar uma cerveja qualquer hora para jogar conversa fora.

Abração!

Wilhan